domingo, junho 01, 2008

OBRIGADO MAESTRO...



O Agradecimento vem fora de horas, mas não queria deixar passar sem te agradecer tudo o que fizeste, o que estás a fazer e o que irás fazer pelo nosso clube.

És um exemplo de dedicação e amor ao Benfica, e por tudo isso confiamos em ti para voltarmos á Glória.

EU SOU BENFIQUISTA COM MUITO ORGULHO, COM MUITO AMORRRRRRRRRRRRRRRRR !!!

BIENVENIDO QUIQUE !!!

sábado, maio 19, 2007

AVANTE 2007

sexta-feira, maio 18, 2007

Uma viagem ao tempo do fascismo

Era uma vez um regime fascista, que afinal não é bem fascista, mas foi um regime fascista. Era uma vez um ditador, que não é assim um ditador muito mau, mas foi ditador. O filósofo George Santayana (1863-1952) escreveu “Um povo que não recorda o seu passado está condenado a vivê-lo de novo”. Eu, hoje, revivi momentos que já eram História, fiz uma viagem no tempo mas a brecha no tempo que “apanhei” para ir a um passado, em que não era havia liberdade de expressão, enviou-me directamente para o mesmo momento, para o mesmo local, para a tarde do dia 15 de Março de 2007, Faculdade de Letras. Um grupo de jovens foi impedido de pintar um mural contra o fascismo, numa das paredes daquela faculdade.
Tinham-me dito, “Vão pintar um mural anti-fascista em Letras, hoje às quatro”, “Ok, encontramo-nos a essa hora em frente à faculdade”.
Quando estou a chegar a Letras passam por mim dois homens, de tronco e ombros inchados, inflamados por esteróides, cotovelos que já não tocam no corpo, cabeça rapada, grandes tatuagens, que não são meras opções de estética, que não são inocentes… machados e fachos num fundo vermelho e verde são um bilhete de identidade, são uma “nacionalidade”, uma nacionalidade que é apenas deles, uma nacionalidade em que não me revejo. Apenas outra imagem me desvia a atenção, o carro da polícia de choque. Naquele momento os meus pensamentos foram outros, mas agora não me sai da cabeça o quanto significa a presença da polícia de choque num local onde se vai pintar um mural antifascista! Pior que ter estado presente é ter sido necessária, pior que ter sido necessária é a sua actuação ter sido pouco evidente…
Desço as escadas que vão ter ao chamado “bar novo”. No caminho que vou pisando, uma fileira de fachos vai indicando o caminho para o bar novo para que ninguém se perca (ou para que cada vez se percam mais?). Nos degraus lê-se “o comunismo mata”, nas paredes “o fascismo é a solução”. Os fachos chegam à porta. Uma bandeira da frente nacional, pintada na parede, comprova: o bar foi tomado, a liberdade lá dentro foi sequestrada. Transbordam para a rua clones dos dois homens que tinha visto, dando a sensação que estão a produzi-los mesmo dentro do bar. Olho outra vez em volta. Paro um pouco e relembro todos os passos que dei para chegar ali. Sem dúvida estou na faculdade de letras. Estarei eu louca, com alucinações, ou num universo paralelo? Infelizmente não.
Uma onda de náusea visceral percorre-me o corpo. Afasto-me dali. Sinto-me intimidada.
A opressão é palpável. Pela primeira vez na minha vida sinto a minha integridade física ameaçada por causa dos meus ideais.
Vejo-os desmobilizar. Dizem-me entretanto que estão a haver confusões na frente da faculdade. Vamos para lá. No cimo das escadas dois polícias de choque discutem com um homem, impedem-no de avançar. Reconheço-o… parece que é suposto todos os clones terem um código de barras, o dele é a tatuagem com os machados e fachos.
“o que se passou?”, “três deles estavam a discutir com um rapaz, rodearam-no e já lhe estavam a dar socos nas costas… então a polícia resolveu terminar a sua agradável tertúlia e intervir…”
Novamente a mesma náusea… um desconforto físico e mental… a sensação de estar fora da realidade, de ter entrado numa tela de cinema.
O grupo que se tinha proposto a pintar o mural decide fazê-lo independentemente de quem o queira impedir. Esse grupo era constituído por membros da JCP e da URAP…
Os tumultos regressam às traseiras da faculdade. Em torno do muro um pequeno grupo armado apenas com baldes de tinta está cercado pelo exército dos clones, que uivam, bramem e ululam insultos e ameaças. A polícia observa atenta e placidamente todo o quadro, talvez imaginando estratégias de intervenção que não vai pôr em prática.
São todos clones… mas muitos não vestem a imagem estereotipada dos neofascistas/nazis. E estão atentos… aos comentários, aos olhares, à postura de quem os rodeia…. Têm máquinas fotográficas, vão documentando as pessoas que mais lhes interessam…
Mais uma vez tenho a sensação de estar completamente fora da realidade, como se cada momento que passa não fosse, não existisse, e cada passo fosse mais um instante de um pesadelo sem sentido. Nem sequer realizo que quase trinta e três anos depois do 25 de Abril, num lugar público, uma faculdade, eu não posso dizer abertamente que o mesmo 25 de Abril “foi um acontecimento positivo”, muito menos afirmar-me antifascista, sem me arriscar a ficar marcada por um grupo de clonados. E, trinta e três anos depois, essa marca não seria para me chamarem para uma troca de ideias… Seria assim antes do tempo dos cravos? Seria assim que as pessoas olhavam em volta antes de falar baixinho? Seria assim que disfarçavam?
Serão legítimas ideias que recorrem à repressão física para se impor? Que respeito posso eu ter por seguidores de um ideal que se servem da força física, para calar os seus opositores, porque os argumentos falados são claramente insuficientes?
Os autores do mural não o puderam acabar, saíram dali escoltados pela polícia de choque. O exército dos clones, aqueles que ameaçaram, que provocaram desacatos, que impuseram a sua presença … puderam permanecer no mesmo sítio e foram andando até à sua sede, o “bar novo”, regar-se de cerveja. Ou será que aquela dúzia de pessoas que teve que se ir embora seria tão perigosa que nem se quer aparentava sê-lo? Ou eu terei visto tudo ao contrário e os insultos e desacatos foram por essa dúzia provocados? Claro, só uns loucos perigosos poder-se-iam lembrar de se afirmar antifascistas em plena luz do dia e mais que isso, pintar essa afirmação numa parede!
Mais tarde fico a saber que a direcção da faculdade tinha reunido nessa manhã e tinha decidido não autorizar o mural porque “é proibido pintar paredes” – permitam-me só que complete – sem autorização dos donos da parede… ou seja, não autorizaram porque se autorizassem não seria proibido pintar a parede (?). Assumiu portanto uma neutralidade conveniente, cómoda (e cobarde). A Faculdade de Letras é um espaço público, pertence ao Estado português, que se declara um Estado antifascista. Ora segundo a lógica (será uma lógica assim tão “subjectiva”?) a faculdade deveria expressar os mesmos princípios do Estado, pelo que a neutralidade não é, no mínimo, uma posição institucionalmente coerente. A faculdade de letras é um espaço aberto a todos, mas não o pode ser àqueles que tornam esse mesmo espaço aberto num espaço restrito, fechado à liberdade de expressão. E não percebo, por mais que tente, como é que pintar um mural antifascista possa ser tão polémico que a direcção da faculdade tenha decidido não tomar posição quando deveria ter sido a primeira a doar o muro para que alunos da faculdade exaltassem ideais antifascistas.
Só para finalizar, o fascismo é uma ideologia totalitária de extrema-direita que não existiu, nem existe, em estado puro, em lado nenhum, nem mesmo em Itália onde foi criado. Os regimes fascistas e as características particulares dos ideais fascistas vão mudando consoante o local e o tempo onde nascem e crescem. O fascismo exalta o Estado, pondo-o acima do indivíduo “Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado” (Benito Mussolini), ou seja, o indivíduo serve o Estado e não o contrário. Associado a este conceito, o de nacionalismo (étnico), pois privilegia os nascidos no próprio país (algo como “Portugal para os portugueses”) e associado ao último a xenofobia (“negros para África” ou assassinatos no Bairro Alto…).
Ser fascista não é apenas ser anticomunista, é ser também antidemocrático, antiigualitário, corporativista, totalitarista, grande parte das vezes xenófobo e é usar a violência como forma de reprimir/censurar ideias que se oponham… Ser antifascista não é ser comunista, é ser contra todos os ideais fascistas e a sua forma de expressão em determinado momento e em determinado local.

Contextualização estórica…
Há alguns anos, infelizmente não sei precisar quantos, um rapaz negro foi assassinado no Bairro Alto por um grupo de neonazis/skinheads. Um deles foi condenado. Ainda na prisão fez um requerimento ao juiz para tirar um curso superior. O seu pedido foi deferido, na condição que esse curso fosse Estudos Africanos, na faculdade de letras. Assim foi… entretanto ele conseguiu mudar de curso para arqueologia e também recrutar para a Frente Nacional dez alunos da faculdade. Estes, e outros amigos de fora, ocuparam o “bar novo”, usam-no como sede, como escritório ou sala de reuniões. Vários alunos já foram ameaçados na faculdade.
Há cerca de um mês começaram a pintar por cima dos murais de Letras, especialmente os da JCP e do MATA. Os murais foram reparados pelos seus autores. Noites depois, os murais foram novamente violados. Como as noite se tornaram pouco apetecíveis, para quem tem amor à sua integridade física, para voltar a pintar os murais, foi decidido fazer o mural antifascista de dia, com testemunhas…

The beautiful game

O jogo ainda não começou e parece-me mentira que o espectáculo vá desenrolar-se em baixo quando lá em cima, nas bancadas repletas e ardentes, estão a acontecer tantas coisas. Troncos nus, braços ao céu e um grito que é um canto coral e apaixonado, que nunca pára de animar. E depois corre uma bola e correm os jogadores atrás dela e correm os olhos ansiosos da multidão atrás de bola e dos jogadores... Que simplicidade, não é verdade? Tem o poder de fazer esquecer a pobreza, a frustração, o desespero. Chama-se futebol e não é preciso dizer mais nada.

Jorge Valdano

sexta-feira, fevereiro 23, 2007

A questão "Canudo"

A questão "Canudo"

Ter um canudo. Como diz o povo, ter um canudo é sinónimo de vencer na vida. Não sou tão facciosa para achar que não dá um “empurrãozinho”. Mas no fundo – e para manter a objectividade da ideia que me fez escrever este pequeno parecer – ter um canudo é mais ou menos como ter um pau espetado no rabo. Ficas direitinho durante o 1º ano depois de o conseguires, e até tens o direito de dizer com toda a integridade "oh não, eu tenho um curso de zoologia, não vou agora ter de limpar as jaulas do elefante ali em Benfica..."
Mas o pauzinho no rabo começa a quebrar, ah pois é, e dás por ti a aceitar Part-Times de babysitter de cães ou então, menos embaraçoso, lá consegues um estágio na função pública, no Canil Municipal, onde te destacam para contar quantos quilos de dejectos produz um cão que come 17 kg de ração por mês. E porque a verba estatal para o teu estágio, tem de ser justificada, convencem-te que essa é uma tarefa muito importante. E pronto, lá vives com a perspectiva da classe operária e pensas, que, se te aguentares ali, talvez te passem para os quadros efectivos da Câmara e em vez de contares quilos de dejectos, lá vais fazendo um recadinho para o Presidente e quiçá um dia, até te põem a tirar fotocópias muito importantes!
E não podemos esquecer o “factor C”, que é o Sr. Zé Silva, o responsável do Canil, que até gosta de ti….uma cunha, jamais deverá ser menosprezada.
Mas um canudo é sempre um canudo, e qualquer autarca deve saber disso com certeza. E nas horas mais paradas, imaginas que quando passaste pelo Presidente ele deve ter pensado….que desperdício…com um canudo a contar “bostas”, e acreditas verdadeiramente que é isso que ele pensa.
E o canudo que sempre tiveste espetado no rabinho vai-se partindo…
Concluo portanto que, os “canudos” devem ser mais ou menos como as minas das lapiseiras. Quando as valorizamos demais e as usamos com mais força do que aguentam, partem-se e tens de aproveitar os restinhos que sobraram. J



Errata: No quarto parágrafo, onde se lê “imaginas”, deverá ler-se “deliras”.

terça-feira, outubro 31, 2006

HAPPY HALLOWEEN




São os desejos da gerência deste maravilhoso blog.

Kotinhu

segunda-feira, outubro 09, 2006

PARA O MEU AMOR

">

segunda-feira, setembro 04, 2006

Ora cá estou depois de nunca ter escrito nada aqui! Como camarada, não pude adiar mais a minha incursão a essa festa que afinal é a do povo, a festa do AVANTE. E pois que fui, pois que fui ver e sim senhor, aquilo é que é festa, não obstante ser a maior concentração de mitra, foi lindo de se ver...aquelas rastas ao vento, a unha preta do pó do chão, e pronto…o que já todos sabemos: festa do AVANTE sem ganzas, é como um concerto do Tony sem velhas...sim senhor.....é mm o povo que faz a festa. Era vê-los saltar ao som da Carvalhesa, tal e qual um perfeito mosh, mesmo os mais velhotes! Ali! DE PÉ! muito lindo. Até eu, não pude deixar de levantar o meu braço esquerdo a cantar o AVANTE. Fiz referência ao "braço esquerdo”, porque observei que a maior parte dos camaradas que lá estavam levantavam o seu bracinho direito no ar, de punho cerrado! Invadiu-se de mim um enorme sentimento de tristeza! oh meus amigos!!!! o braço DIREITO?...enfim...isto de ser camarada tem que lhe diga... ou se é...ou não se é....mas NUNCA de bracinho direito tá bem??
O que me faz voltar lá para o ano?: teatro, festa do livro, do disco e da gastronomia. Cultura amigos…cultura

JOSE CID "O GRANDE"